[ editar artigo]

Dia 05 de junho: Dia do Ambiente.

Dia 05 de junho: Dia do Ambiente.

Este dia poderia ser tão lindo se pudéssemos contemplar de verdade os mares, os rios, os lagos, os verdes, as florestas, as distintas espécies de animais como um perfume que chegasse a todas as pessoas do nosso planeta. Acredito que os seres humanos que habitam esta terra gostam muito de passear pelos parques, gostam de ver as belezas das florestas, de ter seu bairro limpo e sua cidade agradável, mas o comportamento dos seres humanos não corresponde à ordem da Criação estabelecida por Deus para todos os seus viventes.

 

O primeiro Dia Mundial do Ambiente foi celebrado no dia 05 de junho de 1974. São quase duas décadas de chamada de atenções e não se vê um bom cenário para o ecossistema. Muitos são os impactos catastróficos! Neste ano podemos ver alguns aspectos:

 

  1. A situação da pandemia que tem provocado muitas mortes. A humanidade “está em casa”e esta situação vai incidir muito na vida das pessoas.
  2. No Brasil, de modo mais específico, há muitas notícias da destruição da Amazônia e das verdes pastagens do nosso país. Há muitas invasões na mata atlântica. Desmatamentos intensos!
  3. Estima-se que, de modo geral, a humanidade está consumindo os recursos naturais e já não se consegue fazer a reposição.
  4. Como há tanto consumo, há poluição cresce de modo drástico.
  5. O ar já foi puro e cada vez mais está sendo afetado por muitos poluentes.
  6. A agressão aos povos originários e nativos.

 

Deste modo, que significa para os cristãos celebrar o Dia Mundial do Ambiente? Que implicações têm este dia para a fé? Se a resposta for nenhuma, é possível perceber que o cristão ainda não conseguiu ver que tudo está interligado. Por exemplo: o lema é “fique em casa”. Todas as pessoas têm casa? E que tipo de casa têm? Outra afirmação é “lave as mãos”. Todos têm acesso a água limpa e saudável? Assim, tudo tem que ver com a vida e não podemos separar, como diz o Papa, a crise ambiental e a crise social. Diz a Palavra de Deus: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”. (Jo 10,10)

 

Nestes tempos de pandemia, muitos cristãos manifestam preocupações em abrir ou não as igrejas e se há ou não a celebração da missa. São desejos de muitos, mas precisamos com urgência ver a espiritualidade cristã a partir do crescimento da sobriedade e um regresso à simplicidade com muita consciência que a vida é para todos. Se há preocupação em receber os sacramentos, há preocupação com o cuidado com a casa comum, com os pequenos e com toda a ordem da Criação? O Papa Francisco afirma que “através do culto, somos convidados a abraçar o mundo num plano diferente.”(Laudato si n. 235)

 

Convido os leitores a aprofundar na beleza de um espiritualidade ecológica pois “pois todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele.”(Cl 1,16) Cristãos: oremos, trabalhemos pelo bem comum que é responsabilidade de todos, cultivemos a educação com a ordem do criado e um amor infinito e comprometido com a harmonia com a Criação para o hoje as gerações futuras. Como você integra na sua vida cristã a conversão ecológica?

 

Padre César Braga

 

Viver em Cristo
Padre César Braga de Paula
Padre César Braga de Paula Seguir

Padre César Braga de Paula. Ordenado há 20 anos. Trabalhou com paróquias, vocações e professor da PUCPR, campus Londrina. Também trabalhou no Conselho Episcopal Latinoamericano -CELAM, com sede em Bogotá, no Departamento de Vocações e Ministérios.

Ler conteúdo completo
Indicados para você